Death Trash será lançado para PC e consoles em 2020


A desenvolvedora Crafting Legends anunciou o jogo Death Trash, um RPG pós-apocalíptico de mundo semi-aberto, que será lançado primeiramente para PC na Steam em Early Access no início de 2020, em seguida pelas lojas PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e outras lojas de PC.

Aqui está uma visão geral do jogo, através da sua página Steam:

    Sobre

    Um mundo pós-apocalíptico, onde os horrores cósmicos anseiam pela humanidade, mas encontram punks com espingardas. Influenciado por cyberpunk, clássicos pós-apocalípticos, ficção científica, horror e fantasia sombria grotesca.

    Jogabilidade

    Death Trash é um RPG de mundo semi-aberto, com níveis artesanais e uma campanha de história grotesca.

    O jogo apresenta jogabilidade em tempo real com combate à distância e corpo a corpo, furtividade, diálogo de múltipla escolha, um inventário cheio de itens e vermes de carne, um sistema de criação e habilidades sociais como furtos e vômitos.

    Viaje pelo deserto árido pós-apocalíptico pelo mapa do mundo e explore locais orgânicos pintados à mão. Conheça personagens empolgantes: converse com o Fleshkraken e visite o Puke Bar.

    Personalize seu próprio personagem através de estatísticas e fazendo escolhas. Experimente a história e descubra missões secundárias. Lute contra máquinas e monstros maiores do que a vida - ou torne-se amigo deles.

    O jogo contém muitos recursos que suportam a liberdade do jogador:


  • Jogos salvos manuais
  • O diálogo pode ser pulado a qualquer momento
  • Mate todos ou ...
  • Dificilmente mate alguém!

    História

    A humanidade viajou para as estrelas e se estabeleceu no planeta Nexus com seus antigos segredos de pedra e carne. As máquinas foram instaladas como protetores, mas foram corrompidas e causaram terror.

    Você é um invasor entre as ruínas do passado.
    Mas o destino pode levá-lo ao Oráculo da Cabeça Sangrenta, ao Coração Eterno e a uma guerra com as máquinas, dando a você o poder de consertar ou destruir.


Postar um comentário

0 Comentários